Atualizado em 10 de novembro de 2017 às 14:59

Festa do Churrasco é transferida para abril

Arquivo/FS  Município pretende intensificar venda de carnes

Arquivo/FS - Município pretende intensificar venda de carnes

A 15ª edição da Festa Internacional do Churrasco vai ficar para 2018. O anúncio foi feito pelo secretário de Cultura e Turismo, Fabiano Marimon, ontem pela manhã. Mesmo com a disponibilização do recurso de R$ 189 mil, via Lei Rouanet, pelo Ministério da Cultura, o motivo alegado pela prefeitura foi a falta de tempo para organizar o evento, que estava agendado para o período de 24 a 26 deste mês. Por isso, os gestores municipais optaram por adiar a festa para os dias 20, 21 e 22 de abril de 2018, no Parque do Gaúcho.
Sem a disponibilização de verba, a prefeitura protocolou, no meio de outubro, um projeto, junto ao Ministério da Cultura, para captação de recursos, por intermédio da Lei Rouanet. Dias depois, a proposta recebeu parecer favorável do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac), com a publicação no Diário Oficial da União, liberando o recurso de R$ 189 mil. O segundo passo seria o município conseguir empresas apoiadoras, que aceitassem dedicar 4% do pagamento do Imposto de Renda à Festa do Churrasco. Até o momento, Marimon informa que 20% da captação está garantida.
Com a data definida, o secretário informa que o município começa a busca por patrocínios. Inclusive, há o acerto com as empresas Obino e Erva-Mate Taura. “Abrimos contatos para disponibilizarmos várias atrações, como as provas campeiras, tiro de laço, gineteadas. Buscamos parceiros para uma premiação diferenciada”, salienta. Para a 15ª edição, não está prevista a realização do festival de música nativista Galponeira. Contudo, Marimon garante que, nos três dias da festa campeira, haverá apresentações artísticas, com espaço exclusivo para os Centros de Tradições Gaúchas (CTGs) locais.
Estrutura e comercialização

Durante a coletiva, Marimon enalteceu o investimento na comercialização de carnes. Para atender a demanda, revela que abriu tratativas com um frigorífico para que a venda seja abaixo do preço de mercado. “Todos sabemos que o churrasco é um elemento muito importante para a cultura e o turismo da região. Por essa razão, decidimos transferir e fazer um evento digno da marca que tem. Assim, podemos divulgar com seis meses de antecedência e mobilizarmos pessoas de todo o Brasil. Por que não voltarmos a ter o maior churrasco do mundo? Esperamos 30 mil pessoas”, observa.
Mas a tendência é que a comercialização não se restrinja apenas à venda de carne. Marimon enfatiza que o Parque do Gaúcho está aberto para todos os segmentos empresariais. Com o objetivo de organizar o espaço dos vendedores, a Secult elaborará um mapa com setores. A expectativa é de que as negociações para aquisição dos espaços, no parque, sejam abertas na semana que vem. Outro fator que o secretário destaca como prioridade é a segurança. Aquisição de um toldo (para caso de chuva), manutenção da energia elétrica, contratação de segurança privada, disponibilização de água e banheiros espalhados pelo parque são alguns exemplos de ações apontadas por Marimon.

Parceria com a Semana Crioula

Com a transferência do evento para abril, o secretário trouxe à tona, novamente, a possibilidade de unir a Festa do Churrasco com a Semana Crioula, que também foi transferida, só que para março do ano que vem. “Mas tudo isso depende de uma negociação com a Associação e Sindicato Rural. Ficaríamos muito felizes se eles aceitassem essa parceria. A associação tem sido muito parceira do governo”, elenca

Fonte Jornal Folha do Sul

 
 
 

Seja o primeiro a comentar

 
 



 
 


9 − seis =

 
 

Clique em Curtir

 

Previsão do Tempo

 
 
 
Curta a Alternet no Facebook
Desenvolvido por | Time 7